domingo, 2 de dezembro de 2012

A Primeira corrida a gente nunca esquece - 5a Corrida O Povo


Quem segue esse blog deve estar achando o título bem inusitado, afinal, a “dona” do blog já escreve com tanta propriedade sobre inúmeras corridas pelo mundo afora que essa corrida do jornal O Povo jamais poderia ser sua primeira.
Mas foi a 1a do seu irmão caçula que tem a honra de escrever no "Correndo o Mundo".
Vou ser sincero logo de início. Nunca fui muito fã de atividades esportivas. O único esporte que gostei foi voleibol, mas minha carreira foi destruída por um acidente leve no meu punho. Desde então tive medo de voltar a pegar na bola.
Na nossa família a Lia sempre foi a mais atleta. Desde pequena com a natação, seguindo para as corridas, ela continuou sendo uma fonte de inspiração para o resto de nós.
Para mim, o esporte só voltou a acontecer de novo com a malhação de academia que continuo fazendo nos últimos 10 anos. Tentei por várias vezes entrar de vez num esporte aeróbico, mas sempre deixei de lado.
Tanto a natação, como a bicicleta e a corrida me passavam uma imagem muito solitária, triste e tediosa. Na academia, pelo menos existe um ambiente de socialização que não parecia ocorrer nas práticas de corrida, por exemplo.
Recentemente li sobre um estudo da Dinamarca que acompanhou 20.000 pessoas por 26 anos, homens e mulheres de várias idades, e notou que as pessoas que correm de 1 a 2,5 horas/semana vivem em média cerca de 6 anos a mais do que as sedentárias. Esse foi o estopim para eu começar a correr!
Há 11 anos moro fora e tenho visto o crescimento viral das corridas no Brasil. Mesmo numa cidade como Fortaleza, que tem um clima difícil para esse esporte, é interessante notar como amigos que nunca tiveram muita afeição pela atividade física estão totalmente envolvidos com o ato de correr.
Disse à Lia que estava correndo 3 vezes por semana nos últimos 2 meses e claro que minha irmã ficou toda empolgada. Decidi fazer uma visita rápida em Fortaleza, e ao chegar, ela me informou que teria a corrida do jornal O Povo no sábado à noite. Fiquei meio ressabiado, pois estava de férias e uma corrida num sábado à noite é pura covardia.
Minha outra irmã também disse que iria. Acabei me animando e confirmei a participação na primeira corrida da minha vida aos 37 anos de idade.
Ao chegar de moto, minha primeira impressão foi das melhores. Inúmeros carros estacionados no acostamento da avenida que leva ao aeroporto de Fortaleza, várias tendas e muita música pra animar os participantes. A Lia me ensinou como colocar o chip no tênis e nos preparamos para o começo.


Todo empolgado...

 
Antes do início da prova nos posicionamos ao lado esquerdo da pista. Muita gente espremida numa só faixa de trânsito e começamos a conversar sobre os benefícios do aquecimento antes de uma atividade física e da ausência de benefícios do alongamento, algo que é meio tabu nos meios esportivos.
Uma reclamação comum dos participantes foi a camisa da corrida que poderia ter mais ventilação para ajudar no calor de Fortaleza.
O começo da prova foi bem complicado. Uma só faixa para mais de mil pessoas foi um desafio tremendo. Não conseguia correr no meu passo e tinha gente andando já nos primeiros 300 metros, o que dificultava muito o fluxo das pessoas. Devido ao estreito percurso, no início muitos corriam pela calçada ou até além dos cones na faixa à direita, onde carros transitavam, tornado o evento bastante perigoso.
Depois dos 2 Km tudo ficou mais tranquilo, com copinhos de água para hidratação, razoável policiamento, uma medalha bonitinha e um kit pós-prova com uma boa quantidade de frutas.
Mas o que mais me chamou a atenção da corrida foi o aspecto coletivo em todo o processo. Desde a concentração, com os amigos se encontrando, trocando figurinhas sobre a sua vida, sobre as últimas corridas e sobre os seus últimos treinos, foi interessante perceber o aspecto social que envolve esse grupo de pessoas. No decorrer do percurso vi diversas pessoas correndo em grupo, dando força uns aos outros, isso para não falar dos torcedores que apesar de poucos, dão também uma forcinha para que sigamos em frente.
Ao final, toda a ideia de um esporte solitário e triste estava desmantelada na minha cabeça. Se o treino pode ser um pouco solitário, o clímax seria uma prova onde é possível encontrar amigos e incentivar um ao outro no decorrer da corrida.


O trio com suas medalhas
O homem é primariamente um ser social. Fazemos parte de um complexo grupo de indivíduos nesse planeta. Pouca gente pensa nisso, mas além da telona e da boa aparelhagem de som do cinema  é também divertido tomar susto, rir e chorar com outras dezenas de pessoas numa sala;  é melhor assistir um jogo da seleção “arrodeado” de amigos e é por isso que acho que além da idéia de superação e do bem-estar físico do indivíduo, a corrida traz embutida uma idéia de grupo, de turma, de conjunto que nos define como seres humanos.
Espero, ao voltar para casa, encontrar também esse estímulo social, virar viciado em corridas e correr o mundo assim como a minha irmã.

Marcelo Campos

Um novo Usain Bolt???

4 comentários:

Eduardo Parente disse...

que texto legal Lia!!! parabéns ao Marcelo, Marcia e à vc em especial por contaminarmos com tanta competência...

Helena - Floripa/SC disse...

Lia e Marcelo,

Que alegria ler este relato. Como é legal correr em família e poder comprovar a animação do Marcelo em sua primeira prova.
Sempre digo que todo mundo deveria pelo menos uma vez ir até um evento de corrida para sentir a emoção e o clima contagiante dos corredores. Espero que o Marcelo tenha sido contagiado e vocês correr mais provas juntos.
Muito bacana!!

Abraços e bons km's!!

Helena
http://correndodebemcomavida.blogspot.com.br/

Lia Campos disse...

Helena, sempre bom receber sua visita no blog.
Também estou torcendo muito para que meu irmão se contagie por esse vírus comum à nós.
Bj
Lia

Lia Campos disse...

Marcelo,
essa nossa corrida juntos já estava agendada desde 2006, quando fui lhe visitar e nos inscrevemos juntos pra uma prova em NY, mas na hora "H" vc não pode ir, acho que por estar adoentado, lembra? Acabei correndo sozinha...
Desde então tenho tentado que dê certo uma prova juntos e dessa vez deu tudo certo.
Foi muito show correr com vc e Márcia!
Mas olha, a "solidão" em treinos de corrida é mt relativa.Creio que pelo menos no nosso país, correr é uma atividade extremamente socializante até nos treinos.Basta ver a quantidade de assessorias esportivas! As pessoas saem de casa para treinar, mas ao mesmo tempo para encontrar com a turma de corrida, correm conversando e, após o treino o papo ainda continua. Sei que em alguns países existem Clubes de Corridas, mas assessorias como as nossas, ainda não vi.
No Brasil a corrida é algo tão voltado para o social que as provas de revezamento estão sempre batendo recorde de inscritos. Em Fortaleza, não tem corrida que junte mais gente do que o revezamento do Pão de Açúcar. E essas corridas de revezamento também são bem próprias do nosso povo.
Apesar disso, tem quem goste de correr só, como eu. Deixo o “social” para as provas e o treino é um momento comigo mesma, de interiorização, colocar as ideias em dia (mesmo usando o mp3) e isso tb é muito bom. Pelo menos eu adoro,
Portanto, meu irmão, sozinho ou em grupo, espero mesmo que o vírus da corrida possa lhe contaminar de vez e a gente possa vir a fazer muitas provas juntos (porque correr o mundo vc já corre...)
Beijao
Lia