terça-feira, 21 de março de 2017

Jeri Beach Run - Jericoacoara (19/3/2017)



A primeira edição da Jeri Beach Run ocorreu em 2015 e teve 100 participantes na única prova de 7km.
Em 2016 os atletas tiveram a opção de escolher entre os 7 e os 12km e nesse ano eu até fiz minha inscrição, mas como houve um imprevisto, não pude comparecer. Parece até que eu estava adivinhando que o ano de 2017 estava reservado pra eu finalmente correr na praia mais badalada do Brasil a prova que eu mais gosto, a meia maratona.



Nesses três anos a corrida cresceu, aumentou o número de participantes (para 430 no total) e, se depender da edição de 2017, consolidou-se como uma excelente prova, em um percurso indiscutivelmente lindo e organização primorosa.

O evento começou na sexta-feira com a entrega dos kits a partir das 14 horas, no Clubventos. Quem chegou com antecedência pode ficar no local curtindo o visual, almoçando ou bebendo algo até a hora do congresso técnico com explicações do organizador Ricardo Ramalho sobre os três percursos.
No kit, além de camisetas diferenciadas para as distâncias a serem percorridas no sábado à tarde e os 21km do domingo, um par de chinelos personalizados. Mimo que todo corredor adora.

Recebendo o kit com Ricardo Ramalho

Depois do congresso técnico, hora de curtir a animada noite de Jericoacoara para, às 16 horas do dia seguinte estar na linha de largada, à beira mar.
Eu não corri no sábado, mas os comentários dos atletas foram unânimes quanto à boa organização de ambas as distâncias.

Este ano, além da inclusão da Meia Maratona,  a novidade do Desafio do Jacaré (batizado assim devido a um dos significados indígena dado à palavra Jericoacora- “jacaré tomando sol” ) que consistia no atleta correr os 7 ou os 12km no sábado e os 21km no domingo, ganhando medalha diferenciada na conclusão do desafio.
Mas vamos pros 21 que foi o que eu corri.



A largada estava prevista para ser às 5:30 da manhã em Jijoca, o que fez com que eu precisasse acordar às 3 horas da madrugada do domingo para, às 4:10 estar no local combinado e pegar o transporte 4X4 disponibilizado pela organização.
Foram 50 minutos de “saculejo” sonolento ainda no escuro e, ao chegarmos em Jijoca, ainda no escuro, fizemos uma fila para o café da manhã (café, leite, sucos e sanduíches) no hotel Chez Laurant, à beira da Lagoa do Paraíso, local da largada.

O sol nasceu tímido, tornando meio surreal a visão daquelas quase 100 pessoas ali na areia da lagoa, conversando, trotando, se alongando, acordando.

Despertar do sol

Devido aos imprevistos do transporte dos atletas, a largada atrasou e às 5:50 nós partimos.



video

Daí pra frente, a organização cumpriu com o prometido ao dizer que o percurso seria lindo, mas foi sincera principalmente ao dizer que aquele seria “O Percurso de Praia Mais Desafiador do Brasil”.
E bote desafiador nisso !!!!!

Os primeiros 4/5km foram pela beira da lagoa, àquela hora sem um único ser vivente a não ser nós, correndo sobre uma areia úmida, sem maiores dificuldades.


Foto da Cris
 
Foto com a Cris
Passado esse trecho, entramos em uma areia fofa de duna. A partir daí o bicho pegou. Foi areia e mato, areia e mato, areia e mato.. .
Subimos uma duna (não muito alta, é verdade). Visual lindíssimo para quem teve tempo de olhar ao redor. Imensidão de dunas brancas.



Vídeo dessa parte do percurso:

video

Mais um pouco de areia fofa e avistamos o azul do mar, passando finalmente a correr na beira da praia, em terreno plano e duro passando por um pequeno riacho o que me forçou a mergulhar os pés na água.

Finalmente a visão do mar ao fundo



Mas a alegria durou pouco e já surge o “serrote”, o morro da famosa “Pedra Furada” de Jeri. Nessa altura do campeonato, olhar lááááá pra cima do serrote e avistar pequenos corredores chegando ao topo, não foi nada animador.....
Como eu estava lá pra finalizar esses 21km, o jeito foi subir.... Caminhando, subindo ao, poucos e parando, principalmente para me voltar e apreciar a beleza indescritível do lugar.

Parada para respirar e apreciar toda essa beleza
Já em cima do serrote. Foto: Tavares Júnior




Morro vencido, hora de respirar aliviada e correr os últimos quilômetros em declive leve, alcançar a vila de Jeri e finalmente completar a prova.

Entrando em Jeri
 Alívio tremendo de chegar ao final! Meia maratona linda sim, mas muuuuito difícil.
Além da medalha com o símbolo da pedra furada, os sobreviventes dos 21km receberam uma camiseta de “finisher”.


Prova perfeita? Não. Nenhuma prova o é. Qualquer pequena falha com certeza passaria despercebida, mas infelizmente a organização tropeçou em um ítem que jamais poderia ter falhado: o abastecimento de água.
Com promessa de postos a cada 2/3km, no início tudo correu bem mas depois do 7/8 km a água sumiu. Passei por um posto inclusive com toda a estrutura da água já desmontada. Nem é preciso dizer a falta que fez a água em um percurso duro daquele e naquele sol. Felizmente um carro da organização passou por mim e me deu um copinho por volta do km 12 e ao chegar no km 15,5, lá estava o posto com água, isotônico e rapadura. Alívio! Os demais postos também estavam abastecidos mas a falha durante esses 8km foi motivo de reclamação de todos e na hora da premiação o organizador pediu desculpas pelo ocorrido.
Falha terrível sim,  mas apesar disso fica o mérito da prova e de todo o restante da organização, que no mais foi simplesmente perfeita.

Parabéns a todos os corredores da Jeri Beach Run, cada um superando suas dificuldades pessoais.
Parabéns aos meios maratonistas. A prova foi punk!
Parabéns aos que encararam e completaram o Desafio do Jacaré.
E parabéns à organização pela atenção e carinho com todos os participantes e pela dedicação em realizar uma corrida à altura de Jericoacora.



Mais fotos:

Clubventos. Local de entrega do kit





No sábado de manhã, passeando por parte do percurso dos 21km


Corredores dos 12km chegando no sábado à tarde
 


Alegria dos corredores  no por do sol, depois da prova do sábado


Amigas na concentração pros 21km do domingo

Foto : divulgação


E de madrugada, com Ricardo Ramalho
 


Transporte pra Jijoca

Fila pro café da manhã

Cafezim aí?


Primeiros raios de sol








O Piauí veio prestigiar




Aquecimento






Partiu!
Foto: Tavares Júnior






Foto da Cris




Saindo da lagoa









Socorristas posicionados
















Cadê a água?


Km 15,5












Tem que encarar o serrote!


O farol no topo do serrote
Foto Tavares Jr



Visão da vila de Jeri




Chegada






Pódio dos campeões
 
Pódio das campeãs





4 comentários:

Jéfferson Malveira Cavalcante disse...

Showzaço! Próximo ano estarei lá novamente, mas vou encarar usando o bom e velho tênis. Parabéns pela postagem BJ. Forte abraço

Manfredinne disse...

Melhor prova que já participei. Porém, foi a mais dura e difícil. Obg p fotos.

Anônimo disse...

Lia que corrida heim???
Caraca....ano passado fiz os 12km e diz bem...
Este ano quase que não termino...kkk
Obrigada amiga... as fotos do blog ficaram ótimas...
Você retratou perfeitamente o que foi os 21 km da 3 JERI BEACH RUN
Isabel

Anônimo disse...

Caramba Lia, bota desafiador nisso. Isso foi uma Meia de Cross.
Ricardo