segunda-feira, 7 de março de 2016

5o. Desafio das Pontes (6/3/2016)

Treino ou prova? Prova ou treino?

Esse é o maior questionamento sobre o Desafio das Pontes, que na verdade nasceu como treino, um longão de encontro de corredores, mas com o passar dos anos foi adquirindo características de prova, principalmente (por aqueles que o têm acompanhado desde o início) no que diz respeito ao maior calo dos corredores, o $$$$$$$$$$!!
Pra ser um treino, o valor da inscrição na verdade fica bem acima do “previsível”.

Por outro lado, treinos a custo baixo não têm camiseta, não têm medalha, bem como não têm apoio de AMC que, mesmo que tenha sido pouco, organizou o trânsito em alguns cruzamentos.





Polêmicas à parte, o 5º. Desafio das Pontes teve suas inscrições esgotadas.
Com largada pontual da Ponte da Barra do Ceará, às 6 horas da manhã todos saíram em direção à Ponte do Rio Cocó, no Sabiaguaba.







Meu maior receio, o de ficar sozinha em partes desertas do percurso, como ocorreu em 2013, não aconteceu, tanto pelo fato de haver bem mais corredores do que no ano que corri, como pelo fato de ter passado todos os 24km ao lado do amigo Célio, um mantendo o pace do outro.

A meu ver, o grande ponto negativo da prova/treino foi um velho conhecido nosso: a água.
Ah, a água.....
Sempre ela, item tão fácil e sempre tirando o brilho em nossas provas....
O primeiro posto foi no km 6 e o segundo no km 12. O Espaçamento entre esses dois primeiros postos de água, apesar de ainda ser de manhã cedo e o sol ter sido camarada, me deixou de língua de fora.
A partir daí os outros três postos (incluindo o da chegada) foram a cada 4km.

Muitos corredores (muitos mesmo) estavam sendo acompanhados por suas assessorias ou amigos que providenciaram uma hidratação adequada, mas a grande maioria estava contando com a água da organização e, continuo com minha opinião: corrida de rua no nordeste pode até ter outras falhas, mas falhar na água é imperdoável e o ideal seria sempre que a hidratação fosse de 3/3km, principalmente em razão dos mais lentos.

No mais, o Desafio das Pontes continua sendo uma boa alternativa para provas mais longas, mais um grande encontro entre amigos, com um excelente percurso praticamente todo plano e um visual de praia muito bonito, passando pela Barra do Ceará, Praia de Iracema, Beira Mar, Mucuripe, Praia do Futuro Antiga, Praia do Futuro e Sabiaguaba.





Depois de três anos esses 24,200km valeram demais!







Mais fotos:



Largada (Foto: Wilkie)















(Foto: Wilkie)






Leste Oeste











Praia de Iracema









Beira Mar (Foto: Wilkie)

(Foto: Wilkie)



Mucuripe














Passando pelo mercado dos peixes no Mucuripe

Passando pela Praia do Futuro (Foto: Djacir)


Ponte do Cocó - Sabiaguaba






Chegando....



Final!



Devagar e sempre, mas chegamos ao final desses 24km

8 comentários:

Wilkie Martins disse...

Parabéns por mais essa...

Anônimo disse...

Em relação a àgua: Eu vinha no sentido contrário dos atletas, já estava no km 3, aproximadamente, perguntei para um atleta onde eu encontrava água. Ele respondeu assim: "Lá para baixo tem um carro, mas só tem 10 garrafinhas, acho melhor você não ir até lá... Muitos atletas agradeceram as assessorias que ajudaram. Eu vejo que no caminhar desse treino/corrida, tudo vai se transformar em corrida...
Djacir

Anônimo disse...

Quer como treino, quer como corrida, como os inscritos pagaram por um serviço, este pode e deve ser avaliado, tendo por base, principalmente, as promessas feitas. Particularmente, apesar de certos deslizes, adorei o desafio e concordo que o mal maior dele foi a distribuição de água.
Samuel

Anônimo disse...

Já fiz 2 e se fosse mais barato eu tinha ido. não faço muita questão de blusa e medalha.parabéns por mais uma Lia.
Pedro

Anônimo disse...

Concordo!! A falta de agua foi determinante pra muita gente, sem fizer que colocar agua de 6 em 6km eh uma maldade pra quem vai fazer um percurso longo, e o pior foi que no ponto da entrada na praia do futuro ja nao teve mais agua e so conseguimos terminar por conta das assessorias que devemos muito agradecer, por oferecer a agua mesmo pra quem nao era da assessoria. O meu muito obrigada, pois se nao fosse o copo de agua nao teria terminado a prova
Maria Auxiliadora

Anônimo disse...

Parabéns Lia Campos por mais esse relato e fotos.
Não fiz o percurso, apenas acompanhei o Seu Valdomiro, Marquinhos dos Cocos,em uns 10 km.
Vi o apoio de algumas Assessorias.
Como exemplo cito a TriAtivo. Forneceu água e rapadura a todos que solicitavam.
Parabéns às Assessorias apoiadoras e à organização.
Pedro Henriques

Anônimo disse...

Acho que a água não foi suficiente pro nosso clima, realmente!!! Sem querer defender, mas, eu peguei uma garrafinha toda sem necessidade, podia dividir com alguém, no entanto o calor estava tão grande que: bebi e me molhei!!!......
Teca

Anônimo disse...

Tinha muita gente correndo mais na frente, com pace entre 4:50, 5:20/km, que pegava uma garrafa de água, tomava um gole e jogava o resto fora. Talvez esse tenha sido o motivo de quem vinha mais atrás ter ficado sem água. Eu não disperdicei uma gota dágua, teve ponto de hidratação q nem peguei pq ainda tinha água na garrafa q eu tinha pego no ponto anterior. Talvez essa tenha sido a razão do organizador ter optado pelas garrafas em vez dos copos, pra forçar a galera a levar o resto da água consigo, mas teve muita gente que não entendeu o recado.
Leandro