terça-feira, 10 de maio de 2016

Sevilha com Córdoba no caminho (abril 2016)


A viagem para Sevilha, na verdade começa por Córdoba.
Não necessariamente, claro, mas é uma boa pedida para quem parte de Madri, desmembrar a passagem de trem em duas, com uma parada pra conhecer Córdoba. Se essa for a opção escolhida, um guarda volumes em frente à estação serve para deixarmos as malas e ficar sem preocupação durante a visita à cidade.

Conquistada pelos romanos antes de Cristo, invadida pelos bárbaros, dominada pelos muçulmanos (quando foram construídos vários palácios e mesquitas,  tornando-a uma das cidade mais populosas do mundo), em 1236 Córdoba foi conquistada pelos cristãos.



Com tantas influências diferentes, a cidade é um paraíso para quem gosta de turistar caminhando e apreciando suas ruazinhas estreitas, muralhas e construções, mas dessa vez, além de passear no museu a céu aberto, ingressei na maior atração da cidade, sua mesquita/catedral e, por mais que eu tente descrever a beleza, grandiosidade e magia do local, acho que não conseguiria chegar perto do que senti.

A mesquita, claro foi construída pelos muçulmanos.
Quando os reis católicos reconquistaram Córdoba, para o bem da humanidade decidiram não destruí-la e sim construir sua catedral DENTRO dela.
E a fusão das duas é impressionante. Em meio aos arcos tão caracteristicamente muçulmanos, paredes com pequenas capelas e imagens de santos já dão uma visão meio impossível de coexistência.
Fui andando e observando, pra me surpreender mais ainda ao chegar ao centro da mesquita e me deparar com a nave imensa, grandiosa e rica de uma catedral cristã.


Á esquerda, os arcos da mesquita. à direita, a nave da catedral

Para completar ainda mais esse quadro de tolerância religiosa, a mesquita-catedral fica ao lado de um bairro judeu!
Pelo menos pra mim, “somente” pelo sua mesquita, Córdoba já vale muuuito à pena. Mas com já disse, caminhar por suas ruas, passar pela Ponte Romana com seus 16 arcos sobre o rio Guadalquivir também é imperdível..


Ponte Romana

E se Córdoba já foi uma surpresa pra mim, Sevilha foi paixão.
4a. maior cidade espanhola, tem um centro histórico maravilhoso e uma parte mais moderna, às margens do rio  Guadalquivir.
No centro histórico fica a catedral e a torre Giralda, mas o movimento por suas ruas estreitas, com as características carruagens e artistas de rua, dentre eles músicos de flamenco e dançarinas com castanholas hipnotizaram minha atenção a tal ponto, que declinei da visita à catedral e à torre com a Cris, preferindo sentar com Benésio em um barzinho e ficar observando todo o movimento à minha volta. A cidade pulsando.


Movimento das ruas em frente à catedral


Flamengo pelas ruas de Sevilha:

video

https://www.youtube.com/watch?v=-bstdw6HTxE 
Depois me rendi e fui visitar o Real Alcazar, um complexo de palácio com jardins, pátios e capelas, até hoje utilizado para alojamento da família real. Imperdível!



A Plaza de Espanha foi outro deslumbramento inexplicável. Daqueles de você entrar, deixar o queixo cair e falar "putz! O que é issooo?".
Um local incrível que não cansei de admirar. Mais parecia um quadro.
Um canal com pontes e barquinhos, azulejos lindos, um jardim ao fundo e carruagens a passear. Lugar pra passar muito tempo curtindo e admirando.


E as famosas touradas? Elas ainda ocorrem sim, durante a temporada. Não chegamos a ir a nenhuma, mas fomos até a plaza de toros, a Real Maestranza, de onde seguimos em uma visita guiada bastante interessante, com explicações sobre os toureiros, as touradas e suas regras.



Sevilha também tem uma parte muito moderna. Exemplo é o Metropol Parasol, obra contemporânea, maior estrutura de madeira do mundo.



Pra relaxar e ver a vida passar, um passeio no final do dia às margens do rio é a pedida. A noite do outro lado da ponte, apesar de não termos ficado pra ver, devido o cansaço do dia, parece ser bastante animada, pela quantidade de mesinhas que já estava colocada ao longo da calçada.



Sevilha tem bem mais, claro. Nem show de flamenco eu fui (além das rápidas apresentações de rua). Mas foi de propósito! Pra voltar!!! hahaha


Dicas pra quem vai:

Hotel em Sevilha: ficamos novamente no esquema do Airbnb. Dessa vez um apartamento bem legal, inteiramente pra nós, em uma região totalmente residencial, mas achei que ficou um pouco distante das principais atrações.
Nos deslocamos muito à pé e algumas vezes de táxi. Lá não existe metrô.

Viagem para Córdoba – De Madri pra Córdoba são 2h de trem e de Córdoba pra Sevilha, 1h. Ficamos 5 horas em Córdoba, o que achei suficiente.
Ao descer na estação de trem em Sevilha, é só atravessar a rua que tem um lugar pra deixar as malas.


Mais fotos:

Pronta para embarcar no trem pra Córdoba


Ruas de Córdoba do lado de fora das muralhas


Um mercado no caminho entre a estação de trem e a cidade história (muito bom)


Tapas, tapas e tapas....




Jamón, jamón e jamón.....

Uma das portas de entrada de Córdoba


Interior da Sinagoga


Chás e especiarias




Cavalariça
Ponte romana


Com Cris em mais uma das entradas da cidade






Os arcos no interior da mesquita-catedral






A nave da catedral no centro da mesquita



Ruas de Córdoba


SEVILHA


Por do sol na nossa chegada a Sevilha









Treininho em frente à catedral


Flamenco!


Criatividade pelas ruas


A rua mais estreita!




Metropol Parasol


Rio Guadalquivir






video
                                                                   Plaza de Espanã















Alcazar Real




Jardins do Alcazar Real




Plaza de Toros La Maestranza





Nenhum comentário: