terça-feira, 6 de junho de 2017

Ida ao Deserto do Saara ( Ifrane, Vale do Ziz, Erfoud, Merzouga) abril/2017



No acampamento
Hora de pegar a estrada e fazer o passeio que 10 entre 10 turistas que vão ao Marrocos esperam fazer: o Deserto do Saara.

Ao sairmos de Fez, rápida parada na cidade de Ifrane, conhecida como a “Suiça do Marrocos”.
Situada no Médio Atlas (uma das divisões da Cordilheira do Atlas), com temperaturas sempre agradáveis em razão de situar-se a 1700m de  altitude, Ifrane foi construída pelos franceses em 1930, durante o protetorado, para ser um local onde eles pudessem se refugiar no verão marroquino e, no inverno, ser usada como base para esportes de neve, como o esqui. Nos dias de hoje são os marroquinos que utilizam o local com a mesma finalidade dos franceses.
Ao olhar os cartões postais da cidadezinha, com ruas e árvores branquinhas, cobertas de neve, mais uma vez  surpreendi-me com o Marrocos, pois jamais pensei que no país conhecido pelo deserto, aquilo pudesse existir....

 
Casas de Ifrane no estilo europeu
 Depois de Ifrane, parada obrigatória na estrada para olhar e dar amendoins a macacos que vivem soltos naquela região.

Alimentando os macacos

A viagem continuou, passando por pequenas cidades, até chegarmos ao Vale do Ziz, um verdadeiro oásis de palmeiras verdinhas no meio daquela região desértica. Lindo local que apreciamos de longe.

Vale do Ziz
 
Serei sincera: ao pensar na viagem ao Marrocos, só me vinha à cabeça os passeios pelas medinas, as ruazinhas com comércio característico, a cultura tão diferente da minha  e olhei torto para a possibilidade de andar  de dromedário pelas dunas do deserto, imaginando que esse passeio estaria mais para uma encenação turística do que uma experiência “real”.
Meu pensamento não estava totalmente equivocado. O tour de uma noite com  dormida em tendas na areia do deserto é totalmente feito para os turistas e, embora você fique no comecinho do que deve ser a imensidão do lugar, nas dunas de Erg Chebbi, que são exatamente isso, o comecinho do deserto, quase fronteira com a Argélia, e, embora você não durma em tendas berberes originais, com o verdadeiro povo do deserto, a experiência é fantástica!
Ao pararmos no local para montar nos dromedários, o cenário já encanta. Do piso duro e plano de terra mais escura vão surgindo sem meios termos as dunas amareladas e finas do Saara.

Entrada do deserto: de um lado, terra escura, dura e plana.  Do outro, dunas de areia fina e amarela

Deitados, descansando, os bichos nos esperam. Foram 45 minutos de um passo lento por cima daquela areia e com certeza foram para mim os 45 minutos mais emocionantes de toda a viagem. Olhar aquelas dunas amarelas, sentir a areia levada pelo vento, que vez por outra batia no meu rosto, foi indescritível. Eu estou no Deserto do Saara?! Não acredito! DESERTO DO SAARA!!!!

No final da caravana, eu!

Dei graças a Deus quando um grupo barulhento que seguia em seus dromedários ao nosso lado pegou outro rumo e pude curtir melhor aquele momento no silêncio que ele merece.

Extasiada com tudo. Foto da Cris

O acampamento onde passamos a noite é todo de tendas de lona e mais parece um hotel. São oito tendas, sendo que cada uma é um quarto com cama, piso todo em tapete, banheiro e ducha. Fora as oito tendas dos hóspedes, uma tenda maior serve como refeitório e outra como cozinha.
Fomos recebidas por rapazes bérberes, nativos da região, com chá e biscoitos. Logo chegou a hora do jantar e após, do lado de fora, ao lado de uma fogueira, ouvimos os rapazes cantarem e tocarem em seus instrumentos típicos. Ficamos eu, Cris, uma família do Paquistão, umas moças da Nova Zelândia, um casal marroquino/francês e seu filho e mais um casal brasileiro curtindo um pouco o momento até a hora de dormir.
A única decepção do dia e resposta à pergunta que TODOS  me fizeram: não!
A noite no deserto NÃO é fria. Muito pelo contrário! Só faltei não dormir de tanto calor! E eu, que  tinha certeza que fosse morrer de frio e tinha ido preparada com casaco e cachecol.... hahah Pois aprendi que, diferente dos filmes, as noites no deserto somente são frias no inverno e naquele dia, estávamos na primavera (imagina como deve ser no verão!).

Cantoria na noite do deserto

Na manhã seguinte acordei cedo para ver o nascer do sol mas infelizmente, como no dia anterior, o tempo estava muito nublado devido a uma pequena tempestade de areia. Nada de por do sol nem de nascer do sol no meu deserto....

Sentindo

Então tomamos nosso café e fomos curtir a beleza do local enquanto aguardávamos o carro  para voltar.
Foi assim meu pouco tempo no Deserto do Saara. Existem passeios mais duradouros, existem acampamentos mais simples, existem outras opções. Eu adorei, amei o meu e ficará pra sempre na caixinha das lembranças "lugares que nunca na vida imaginei um dia ir".
Inesquecível!



Hospedagem: http://www.desertcampbouchedor.com

Veja também sobre o Marrocos:
4a Semi Marathon International D'el Jadida

Vídeo do deserto: https://www.youtube.com/watch?v=xbc6FC3Uui8 

video

Mais fotos:


Ifrane


Grupo de motociclistas brasileiros








De volta à estrada







Ela estava grávida

Fórum de Erfoud

Estrada acidentada no Médio Atlas



Vale do Ziz






Hotel em frente às dunas



Por estar ventando muito, melhor colocar o lenço

Foto da Cris

Prontas






Foto da Cris

Pegamos uma leve tempestade de areia






Acampamento


Nosso quarto






Nós e o casal brasileiro Beto e Regina na hora do jantar











Hora de voltar

Colocando o lenço para a volta

Autêntica mulher do deserto!

Um comentário:

Anônimo disse...

Adorei o teu relato. Parece que estamos lá com você. Mais uma vez, obrigada por dividir esta experiência incrível!
Sandra